R$ 144,00
Compre no Brasil / Compre fora do Brasil
Título: Pasado, presente y futuro de la lengua guaraní
Subtítulo:
Assunto: Guarani (língua), linguística histórica, etnografia
Ano: 2010
Autor: Bartomeu Melià
Apresentação: José María Rodrigues
Formato: 16x23
Número de páginas: 334
Editora: CEADUC/ISEHF
Edição: 1
ISBN: 9789995376284

Bartomeu Melià

Pasado, presente y futuro de la lengua guaraní

Menu >> Início | Quem somos | Catálogo | Comprar | Download de textos |Notícias | Fórum | Contato
Apresentação

Em várias partes do Pasado, presente y futuro de la lengua guarani, Bartomeu Melià deixa entrever que a linguagem é um fenômeno social e é fundada na expressão sugestiva das emoções. Defende também que a linguagem recolhe um sistema próprio de formas de pensar de cada povo. Assim, o pesquisador corrobora o valor do fenômeno poético na língua guarani.

O autor, recopila dados e informações para desenvolver teorias, nos leva pela mão pelo passado, presente e futuro da língua guarani. É por isso que este livro é indispensável para compreender o desenvolvimento da tradição gramatical da língua guarani e para descobrir como os documentos escritos na língua vernácula entraram na história e escreveram a história do Paraguai.

Partindo de artigos que assentam as bases da tradição e a mestizagem das línguas de América, o autor propõe uma visão poética do gênesis do guarani indígena, crioulho e jesuítico, batendo pé firme nas fontes documentais que comprovam o desenvolvimento da escritura, a grandeza e originalidade da língua dos guarani. É digno mencionar a obra acometida pelo pesquisador quem faz uma analogia entre o processo de redução dos povos autóctones a comunidades organizadas e a redução da língua guarani a uma gramática não convertida em um corpo estéril de normas e regras e, sim, em um sistema organizado que, por antonomásia, permitiu sobrevivência e vitalidade da língua das Américas.

O esforço concluído de Bartomeu Melià de contar como os guarani do passado mostraram-se historiadores autênticos administrando “no solo la suave memória del alma sino la más dura memória del papel” (não apenas a memória suave da alma, más a memória mais dura do papel) e usando a escritura como um instrumento de discurso político nas batalhas diplomáticas travadas em novas situações de opressão, remite-nos a um presente antagônico, onde os “señores de la letra” (donos da letra) chegam a se converter em “señores de la palavra” (donos da palavra), apesar de que esta vez ninguém lhes escuta.

José María Rodrigues


Sumário

Del Pasado

1.1 Las lenguas de América: tradición, sustituición y mestizaje
1.2 San Ignacio Guasú, "seminario de lenguas": Jesuitas linguistas en los primeros años de su fundación (1609-1616)
1.3 Génesis del guaraní jesuítico en el Guairá
1.4 Escritos guaraníes como fuentes documentales
1.5 El guaraní y sus transformaciones: indígena, criolo y jesuítico
1.6 La palabra pintada. Identidad étnica y escritura

Del Presente

2.1 Las lenguas indígenas en el Paraguay: una visión desde el Censo 2002
2.2 Paraguái reko eta ha iñe'ê nguéra - Paraguay multicultural y plurilingüe
2.3 El guaraní popular y el guaraní impopular
2.4 ¿Dueños y señores de la lengua?
2.5 El niño paraguayo y sus dos lenguas
2.6 ¿Alfabetización para el indígena o educación indígena?

Del Futuro

3.1 El silencio de las lenguas y el canto recuperado
3.2 Problemas del bilingüismo en el Paraguay
3.3 El sentido político de la lengua
3.4 El Paraguay, un Estado en procura de reafirmar su identidad
3.5 La interculturalidad y la farsa del bilingüismo
3.6 Más acá y más allá del bilingüismo

Propuestas pedagógicas

El futuro guaraní del Paraguay: el idioma guaraní ante los desafíos de la globalización
Educación bilingüe intercultural: subsidios para una investigación y planificación de actividades
Tajy Ñe'ê
Guaraní en la enseñanza media: continuidad, no continuismo
Hacia una normalización ortográfica de la lengua guaraní paraguaya

Português | Español | English | Polski | Deutsch